Histórico

O Programa de Pós-Graduação em História da UFOP iniciou suas atividades em 2007, quando se deu a implementação da primeira turma de mestrado. Em 2013 foi aberta a primeira turma de doutorado. O programa surgiu num contexto em que dois campos de investigação, que sempre haviam se destacado no Departamento de História da UFOP, expandiam-se e ganhavam projeção: os estudos relacionados ao Brasil nos séculos XVIII e XIX e aqueles relativos à história da historiografia e teoria da história. O programa estruturou-se inicialmente em torno desses dois eixos, devendo-se destacar, no caso do primeiro, o privilégio da proximidade com inúmeros arquivos documentais relativos à História de Minas Gerais durante os Setecentos e os Oitocentos. Nos anos que se seguiram à criação do curso de mestrado e, mais recentemente, do doutorado, deu-se uma significativa renovação do corpo docente. Tal renovação implicou num notável alargamento das possibilidades temáticas e metodológicas tratadas pelo PPGHIS: História Antiga, História da América, Ensino de História e História do Tempo Presente ganharam novo fôlego, passando a atrair um número crescente de jovens pesquisadores.

 

Durante o seu primeiro quinquênio o corpo docente passou por um importante incremento, com a ampliação de cerca de 50% do quadro original. Criado com apenas 10 doutores, dois deles pertencentes a outros departamentos, o programa alcançou uma média de 18 professores permanentes, todos ligados ao Departamento – expansão que tem se mantido nos últimos tempos. As primeiras defesas e o desenvolvimento das pesquisas coletivas apontavam aos poucos para a necessidade de uma redefinição das linhas de pesquisa, visando inclusive o amadurecimento de um projeto de doutorado. Assim, ao longo de todo o ano de 2010, o PPGHIS esteve envolvido em um amplo debate em torno da redefinição de suas linhas. Esse processo sinalizava a vitalidade do Programa e o amadurecimento de seus núcleos de pesquisa. Quando o projeto de doutorado foi enviado à Capes, além das duas linhas já existentes e reformuladas, surgiu uma terceira. As linhas “Sociedade, Poder e Região” e “Estado, Identidade e Região” passaram a denominar-se, respectivamente, “Poder, Espaço e Sociedade” e “Ideias, Linguagens e Historiografia”. A terceira linha foi criada com o título “Poder, Linguagens e Instituições”. Visto que essa nova configuração fora prevista no projeto de doutorado, houve em 2013 não somente um esforço de implementá-la, mas também de adaptá-la ao curso de mestrado. A área de concentração foi alterada de “Estado, Sociedade e Região” para “Poder e Linguagens”, visando refletir melhor as áreas de interesse dos investigadores vinculados ao PPGHIS.

 

A incorporação dos novos docentes deu-se em consonância com as regras de credenciamento, recentemente (2017) reformuladas de modo a garantir ao Programa um crescimento orgânico nos próximos anos. Tanto a aprovação do projeto de doutorado em 2012, quanto a elevação da nota do programa para 5 ao fim da avaliação trienal de 2016 indicam que as mudanças têm produzido resultados altamente positivos. Durante o ano de 2014, com o intuito de institucionalizar o novo formato do PPGHIS, foi reformulado seu regimento. Estabeleceu-se um modelo unificado de seleção, através do qual três bancas, uma de cada linha, avalia os candidatos tanto de mestrado quanto de doutorado. O número de vagas foi ajustado para que o Programa pudesse manter em nível adequado a relação entre número de orientandos por orientador. Definiu-se que o PPGHIS oferecerá anualmente trinta vagas, vinte para o curso de mestrado e dez para o de doutorado.

 

Em 2017 o Programa foi um dos pioneiros na UFOP na adoção de cotas raciais em seu processo seletivo, e tem se destacado pelo número crescente de candidatos oriundos de outras importantes universidades brasileiras, bem como da América Latina.